Grupo Premier

oBlog GP

imagem03-06-2022-12-06-42

Os Limites do Crescimento Econômico • OEconomista

Compartilhar Sem categoria

Os Limites do Crescimento Econômico

Autor: O Economista – 29 de maio de 2009

A tradicional receita econômica, numa visão simplista, de curtissímo prazo, tem sido clara: para acabar com a pobreza, distribuir renda e gerar empregos, basta fazer a economia crescer. Será isso verdadeiro? Sendo verdadeiro, haverá um “ponto de quebra” do qual ultrapassar torna-se preocupante e perigoso? Em outras palavras, haverá limites para esse crescimento ou deve o sistema econômico buscar, a todo custo, expandir o crescimento econômico, tendo em vista que urge diminuir o fosso social que caracteriza, por exemplo, uma economia como a brasileira?

Antes de se pensar em qualquer modelo de crescimento econômico, as ações dos governantes devem (ou deveriam) repousar, prioritariamente, sobre a existência factual de limites ao crescimento. O fato concreto, real, que não é passível de dúvidas, é que há limites para o crescimento econômico e para o progresso material e esses passam, inevitavelmente, pela preservação dos recursos naturais e energéticos.

Numa situação como a atual em que o nível de consumo tem sido exageradamente inconseqüente, os “gargalos” do crescimento logo se fazem presentes, e as situações sociais e econômicas advindas de um crescimento exagerado e ambientalmente destruidor se tornam a cada dia insustentáveis.

O fato é que uma vez ultrapassados esses “gargalos” (limites) chegar-se-á a uma situação de total inversão dos ganhos: de crescimento econômico “pretensamente capaz” de diminuir a desigualdade social, entraremos, posteriormente, numa situação contraproducente com forte tendência a gerar mais desequilíbrios por conta do excessivo crescimento que não “respeitou” esses limites, até mesmo porque crescer economicamente não significa (e nunca significou) assegurar, por conseqüência, qualidade de vida.

Metaforicamente essa situação pode ser ilustrada da seguinte forma: é como encher um copo com água até que este transborde. O excesso, nesse caso, irá gerar desperdício e esse, no ambiente econômico atual de escassez de recursos, produzirá custos na tentativa de recuperar a situação anterior. Portanto, crescer de forma exagerada, sem o devido controle da questão ambiental é como crescer em área movediça: não há sustentabilidade. Não há ganho, mas, sim, custos.

Outra boa maneira de verificarmos essa situação é atentar-se para a questão do ponto de vista estritamente social. Atualmente, apenas 20% (vinte por cento) da população mais rica do mundo utilizam ¾ (75%) dos recursos naturais, numa situação em que metade da população (3 bilhões) está na pobreza.

Henrique Rattner, economista estudioso da questão ambiental, nos afirma que “pelo menos 1/3 da população vegeta nos limites de sobrevivência, não tendo acesso à água potável, saneamento, alimentação básica e serviços essenciais como educação e saúde e isto, apesar da incorporação de centenas de milhões de deserdados como produtores e consumidores na China e, em grau menor, na Índia”.

A desigualdade não pára por ai: o caso da água pótavel é gritante. É sabido que a quantidade de água doce disponível na terra é de apenas 0,5% do total das águas, incluindo as calotas polares geladas. Devido à urbanização intensa, os desmatamentos e a contaminação por atividades industriais e agrícolas (bases de um crescimento econômico sem limites), mesmo esta pequena quantidade de água está diminuindo, causando a desertificação progressiva da superfície da terra. O consumo de água, em consequência da urbanização (o crescimento econômico que não encontra fronteiras) dobra a cada 20 anos, mais rapidamente do que o crescimento da população. Se, de acordo com as estatísticas das Organizações das Nações Unidas (ONU), centenas de milhões de pessoas carecem de acesso à água potável, por outro lado, continua o consumo de desperdício (o exagero) do precioso líquido pela parcela dos mais afortunados que podem pagar pelo serviço. Enquanto regiões imensas na África, Ásia e América Latina carecem de recursos hídricos mínimos, nas regiões “desenvolvidas”, além de excesso de consumo, aumenta a poluição de rios, lagoas e lençóis freáticos e aqüíferos subterrâneos (é o crescimento sem limites se fazendo presente), tudo em nome de um suposto crescimento econômico que, reitero, parece não encontrar freios a sua expansão. Para ler o artigo completo clique aqui.

,

Comentários

Registre-se ou faça login para comentar.

  • ewa larryssa

    02/06/2009 – 09:50:30

    o presidente lula deveria para de fazer os comentarios dizendo que a crise é apenas uma marolinha por que está afetando a todos no brasil . lula vamos melhora o brasil ,pare de ficar viajando para os paises de fora figue mas no brasil que nós não temos para onde corre ja que temos vc como presidente vai vc mesmo masvc tem que nós ajudar para nós poder ajudar a vossa escelencia . (muito obrigado pela atenção)

  • Ana Paula

    29/05/2009 – 12:14:36

    Parabéns pela confecção deste artigo, diante dele fica claro que deve haver limites para o crescimento econômico; não se pode esquecer (Como tudo na vida) de que tbm o processo de desenvolvimento custa um preço, que muitas vezes não são considerados por conta da ganância dos seres humanos, as vezes tenho a impressão de que não há limites para as necessidades humanas, porém, os recursos da natureza são escassos e limitados. Um exemplo claro disso é a China, vc se recorda da última Olimpíada, como estava a qualidade do ar na região??? De que adianta ser o pais que mais cresce no mundo se nem mesmo as necessidades básicas da população não são supridas. E aqui no Brasil????O que estamos fazendo com nossa floresta Amazônica, devastando e vendendo arvores que a natureza demorou anos para formar, e o pior, qual o preço que é cobrado ??? Na maioria das vezes somente o custo do transporte ( Que é um outro problema como citado em seu artigo). E quem ganha com isso??? O Serralheiro que derruba essas arvores???Ou será o latifundiário que se diz dono destas terras???“O mais forte nunca é bastante forte para ser sempre o senhor, se não transforma essa força em direito e a obediência em dever “Jean J. Rousseau.

Melhore sua saúde financeira e tenha uma vida melhor
Melhore sua saúde financeira e tenha uma vida melhor

Fonte: www.oeconomista.com.br/os-limites-do-crescimento-economico

Esta gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram